Nos Acompanhe !

Neste mês de março, somos chamados a relembrar e imitar o testemunho de São José, Homem virtuoso, escolhido por Deus, pai adotivo de Jesus, Patrono da Igreja Universal. O silêncio de José nos revela a voz de Deus e nos convida à vida virtuosa.

Conforme o Catecismo da Igreja Católica nos diz: “Os cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade. Todos são chamados à santidade: “Sede perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5, 48).

Essa santidade não é fruto dos nossos méritos, mas resultado de nossa amizade com Deus. É, portanto, graça, dom do Espírito derramado sobre nós no batismo. E a santidade se torna possível quando nos inspiramos em testemunhos concretos.

Portanto, confira agora o que podemos aprender com o testemunho de São José:

“Com coração de pai: assim José amou a Jesus…”

Com essas palavras, o Papa Francisco começa a Carta Apostólica Patris Cordis em honra a São José. É impossível falar do Patrono da Igreja sem citar a bela reflexão que o Papa faz sobre a vida de José. Essa Carta se une a tantos escritos sobre a vida desse grande santo.

“Os dois evangelistas que puseram em relevo a sua figura, Mateus e Lucas, narram pouco, mas o suficiente para fazer compreender o gênero de pai que era e a missão que a Providência lhe confiou”, diz o Papa Francisco.

De fato, a vida de São José se explica pela sua paternidade e sua missão, que acompanham sua vida virtuosa, sua justiça, seu silêncio, observância e obediência à Palavra de Deus. 

Realmente, ele traz qualidades raras e fundamentais para todo vocacionado, seja para a vida consagrada ou para o matrimônio. Como fazer a vontade de Deus sem observar seus mandamentos e como educar os filhos hoje sem respeitar os princípios da justiça divina?

Então, São José nos ajuda a fazer o caminho rumo à santidade com os olhos fixos em Deus! Escolhemos apenas cinco virtudes desse grande homem, porque são inúmeras, porém elas nos ajudarão a responder à vontade de Deus com grandeza. 

Confira 5 virtudes de São José para todas as vocações:

#1 Escuta da Palavra de Deus

“José, seu esposo, que era homem de bem…” (Mt 1,19). O evangelho diz uma única palavra que qualifica José: homem de bem, justo! O justo, na Bíblia, é o homem temente a Deus, observador dos mandamentos, praticante da lei, servidor do povo. 

Com certeza, São José era homem da Palavra. Sua descendência comprova isso, era da casa de Davi, e para responder aos apelos de Deus como ele fez, o conhecimento e a escuta da Palavra eram condições essenciais. 

Seu exemplo de escuta nos ensina a fazer o mesmo. A Palavra de Deus comunica a vida, a força e o amor que precisamos para responder aos apelos de Deus e acolhermos os mistérios da vida sem murmurações, mas com confiança e esperança.

#2 Intimidade com Deus

Santa Teresa d’ Ávila considerava São José como mestre da vida espiritual. Se analisarmos bem as vezes em que José foi visitado por Deus em sonhos, sua prontidão em respondê-Lo mostram o quanto ele era confiante e seguro em responder a voz divina.

Isso revela tanto a sensibilidade do coração de São José quanto a sua amizade com Deus. Só um amigo nos acorda de madrugada, nos fala ao coração e nos desestabiliza de nossos sonhos. José era amigo e servo de Deus! Ele amava a Deus e provou isso com seus atos.

Assim se sustenta uma vocação, com a oração, a intimidade e a amizade de Deus. Principalmente nas noites escuras, e José é perito em enfrentar as noites, somos iluminados e capacitados a seguir adiante por causa do amor de Deus que experimentamos. 

#3 Humildade

A humildade é um grande atributo dos santos. Assim como a Virgem Maria, São José viveu humildemente sua vocação. Isso não significa subserviência, rejeição de sua humanidade, nem complexo de inferioridade como muitos pensam.

Ao contrário, a humildade é o reconhecimento das limitações e a prática da verdade. São José acolheu a missão de pai de Jesus, mas sabia que não o era em plenitude; ensinou o seu ofício, educou o Menino Deus, não teve vergonha de si, nem do seu trabalho.

Não quis pagamento, nem riqueza, mas cumpriu sua missão como um homem simples, do campo e trabalhador. Assim é toda vocação! Não somos melhores porque Deus nos escolheu, nem privados de sofrimento, mas muito amados. E a humildade nos ensina isso.

#4 A capacidade de recomeçar 

“José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito.”

“José levantou-se, tomou o menino e sua mãe e foi para a terra de Israel.”

Essas duas passagens acontecem no evangelho de Mateus em momentos diferentes: José foge com o menino e sua mãe para o Egito; com a morte de Herodes, ele volta para Israel com a criança e Maria. São José não questionou, mas ele recomeçou várias vezes.

Não foi fácil para José recomeçar no Egito, uma terra estranha, pagã, distante de sua família, do seu povo, mas foi preciso. Após ter se instalado, tendo trabalho, casa, amigos, voltou para Israel para recomeçar!

Assim é a vida: cheia de recomeços. A maioria não é fácil, mas quando estamos na vontade de Deus, fazemos a experiência da misericórdia, da providência, e o mais importante, encontramos as respostas para nossa vocação.

#5 O amor à Virgem Maria

“José, seu esposo, não querendo difamá-la, resolveu rejeitá-la secretamente” (Mt 1,19).

Por fim, São José amava Maria. Ele a amava como pessoa e passou a amá-la ainda mais a partir do momento em que ele percebeu o desígnio de Deus para ela. José foi o guardião de sua esposa; o protetor da vida dela e o zelador de sua missão enquanto ele viveu.

Maria, como uma mulher forte, não poderia ter outro homem ao seu lado se não alguém firme e determinado em fazer a vontade do Pai. Ela também amou José e juntos eles colocaram Jesus no centro de suas vidas e todos nós nos beneficiamos dessa escolha.

Dessa forma, toda vocação que coloca Jesus, Maria e José no centro de suas vidas dá frutos em abundância e deixa um caminho aberto para todas as vocações que vêm depois.

Por fim, nesta Quaresma, só nos resta implorar, de São José, a graça das graças: a nossa conversão. Façamos a oração que o Papa Francisco escreveu:

Salve, guardião do Redentor

e esposo da Virgem Maria!

A vós, Deus confiou o seu Filho;

em vós, Maria depositou a sua confiança;

convosco, Cristo tornou-Se homem.

Ó Bem-aventurado José, mostrai-vos pai também para nós

e guiai-nos no caminho da vida.

Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem,

e defendei-nos de todo o mal. Amém. 

Últimos adicionados

Pentecostes e o Carisma Palotino

Como a maternidade de Maria a tornou Rainha dos Apóstolos