Nos Acompanhe !

Com certeza, você já parou para dizer que a metade do ano passou! O tempo é sempre o mesmo, mas o fluxo de atividades, de informações, de responsabilidades etc. não são as mesmas, por isso temos a impressão de que a vida corre e o tempo voa.

E por falar em ‘coisas’ que preenchem nosso tempo, será que as metas que programamos no início do ano estão em desenvolvimento? Ou foram atropeladas na estrada turbulenta da vida e deixamos no acostamento? Pode ser também que não tenham dado certo!

Mas para darmos continuidade à outra metade do ano, com as metas, é prudente reavaliar a programação. Para isso, três ações são fundamentais: parar, refletir e reorganizar. E é sobre isso que vamos conversar neste post! Você tem um tempinho agora?

Mas por que definir metas para a metade do ano?

Antes de tudo, definir metas é importante para qualquer pessoa que deseja algo na vida. Isso pode ser sonhos, saúde, emprego, estudo, enfim, não importa a área da vida, nem precisa ser uma grande conquista. No entanto, toda meta pede uma ação ou não acontece. 

Embora muitas pessoas não coloquem no papel seus planos para o futuro, elas se empenham de algum modo para concretizar o desejo. Porém, seja na mente ou através de um projeto, ter uma meta ajuda a caminhar melhor e a metade do ano ganha mais sentido.

E quando se tem uma meta, se tem um foco, logo as renúncias, os esforços, o trabalho têm mais motivação para acontecer. Além disso, a pessoa se sente impulsionada a começar um novo dia, principalmente quando a meta lhe proporcionará qualidade de vida.

Ainda há outro fator positivo em se ter uma meta: o desenvolvimento que ela promove! 

Quando se tem algo a conquistar, mudamos a rota, definimos pontos a serem seguidos, comemoramos cada conquista e o mais bonito é que temos uma história para compartilhar com as pessoas. 

Portanto, toda a meta tem sentido e vale a pena revisar na metade do ano.

Parar e refletir a metade do ano

Realmente, chegamos à metade do ano e vale a pena olhar o percurso percorrido, avaliar o que deu certo, o que nem começou e o que deu errado. É importante considerar que ninguém tem o controle da própria vida e que há situações que fogem dos nossos projetos.

Diante de tantas responsabilidades da vida cotidiana, é saudável trabalhar uma área de cada vez, por exemplo: relacionamentos pessoais; cuidado com a saúde; crescimento profissional. E você pode escolher apenas uma para focar neste ano de forma especial.

Então, pare, olhe para trás e relembre as metas definidas no início de 2023 em algumas das áreas de sua vida, com perguntas simples: 

O que eu planejei? O que coloquei em prática? Qual o resultado que vejo do meu planejamento? O que deu errado e por quê? E o que faço de agora em diante? 

São questionamentos objetivos que pedem respostas realistas para ajudar a refletir. 

A partir do momento que paramos e refletimos, já acontecem mudanças na forma como entendemos as situações e até analisamos a nós mesmos. Por isso que a reflexão é muito valiosa para reconciliar situações e continuar a jornada com um novo fôlego.

Após a reflexão, sem julgamentos ou ideias ilusórias de si mesmo, é hora de prosseguir: agradecer por tudo e todos; tirar uma lição para a vida; resgatar a autoestima e seguir nos propósitos que valem a pena!

E prosseguir rumo a outra metade

Há um ditado no meio dos concurseiros que diz: “A vida segue e a fila anda” para dizer que existem pontos da vida que acontecem naturalmente, mas outros dependem da nossa contribuição, como estudar, por exemplo. E a fila anda para quem não desiste da sua vez. 

E essa máxima serve para todas as pessoas que projetam metas para sua vida! Agora, parar, refletir e analisar o que passou não é suficiente, é preciso prosseguir rumo aos sonhos, em mais outra metade do ano. Para isso, sugerimos três atitudes: 

  1. Organização: não é tarde para começar ou recomeçar nada. Seja qual for a meta, só há êxito quando existe organização. Então, escolha a meta, planeje e aplique na sua rotina.
  2. Planejamento realista: não adianta focar em uma meta impossível, nem esperar que ela caia do céu. Por exemplo, quem deseja um cargo público, precisa focar em uma área, na vaga, estudar, ficar atento às oportunidades e ter dinheiro para realizar a prova. 

Logo, a pessoa vai planejar os próximos meses a partir dessa meta! Também, não adianta fazer concurso para cargos fora da sua realidade acadêmica.

  1. Execução e avaliação: Todo plano de ação exige uma execução ou vira um “arquivo morto”, ou seja, existe, mas não é usado. Então, faça programações semanais ou mensais, de acordo com suas possibilidades e comprometa-se. Após cada período, avalie pontos positivos e negativos, mas se esforce e procure manter o foco.

Por fim, não deixe de sonhar!

O sonho é a motivação para muitas conquistas, logo continue sonhando com seus objetivos; não deixe de planejar, mesmo que as coisas não dêem certo; não se compare aos outros e coloque em prática seu planejamento a partir das pequenas coisas.

E se você chegou até aqui sem meta alguma, então já pode eleger a primeira! Que a segunda metade do ano seja mais próspera.

 

Últimos adicionados

Pentecostes e o Carisma Palotino

Como a maternidade de Maria a tornou Rainha dos Apóstolos