Nos Acompanhe !

Em 19 de junho, comemora-se o dia do cinema brasileiro. Esta data é marcada pelo dia em que o ítalo-brasileiro, Afonso Segreto, que foi o primeiro cinegrafista e diretor do país, registrou as primeiras gravações brasileiras, na cidade de Petrópolis.

O cinema é considerado a sétima arte, uma classificação feita por Ricciotto Canudo, um intelectual italiano que escreveu, em 1923, um documento denominado “Manifesto das Sete Artes” que estabelecia as 7 artes clássicas.

Talvez, de todas as artes, o cinema seja o mais acessível a todos os públicos, uma vez que é mais comum encontrar alguém que já foi ao cinema, se emocionou, aprendeu algo, sorriu, enfim. Como também é mais difícil achar quem não goste dessa arte. 

Principalmente agora que os filmes estão nas telas de casa quase no mesmo tamanho que a tela do cinema! Isso comprova o quanto o cinema é apreciado e como ele acompanhou a evolução tecnológica ao longo do tempo.

Mas que tal conhecer um pouco da história do cinema brasileiro e suas produções cristãs? Acompanhe este post até o fim!

A história do cinema brasileiro

O cinema teve início em dezembro de 1895, na cidade de Paris. No início, o cinema era mudo! Quem não se lembra de Charles Chaplin e o filme “Tempos Modernos” que se consagrou pela novidade e pela coragem de denunciar o trabalho em produção na época!  

Somente na década de 1930 surge o cinema falado. Mas no Brasil a primeira sala de cinema foi aberta ao público, na capital carioca, em 1887, por incentivo dos irmãos italianos Paschoal Segreto e Affonso Segreto.

Porém, somente no início do século XX, São Paulo tem sua primeira sala de cinema, chamada de Bijou Theatre. Esse século marcou o cinema brasileiro com grandeza, mas também com decadência devido à ditadura e ao surgimento das locadoras de filmes.

Passada a tormenta, a sétima arte experimenta, no século XXI, um novo momento. Com a introdução de novas tecnologias (3D, por exemplo), as produções e a quantidades de salas de cinema no país crescem cada vez mais, inclusive com filmes indicados ao Oscar, como: 

  • Cidade de Deus (2002) de Fernando Meirelles; 
  • Carandiru (2003) de Hector Babenco; 
  • Tropa de Elite (2007) de José Padilha;  
  • Enquanto a Noite Não Chega (2009), de Beto Souza e Renato Falcão. 

A Igreja e o cinema brasileiro

Apesar de uma relação conturbada no início devido a falta de censura nas telas ou até divergências políticas, a Igreja hoje vê o cinema como lugar de liberdade de expressão, permitindo uma troca de experiências que reflitam sobre a nossa vida contemporânea.

Logo, o cinema brasileiro, assim como todos as outras expressões dessa arte no mundo, funciona como um veículo que procura despertar no espectador diversas experiências emocionais e também age como mecanismo de conscientização do bem.

Além de que, muitos filmes trazem uma mensagem religiosa implícita que não é logo identificável, porém despertam para o amor e a solidariedade. Isso evangeliza, transforma e conduz para o bem, principalmente na sociedade, lugar onde o evangelho precisa chegar.

Portanto, a ponte entre a mensagem evangélica e a sétima arte é muito bem vista. Quantos filmes comunicam o amor de Deus às pessoas; relatam a vida dos santos; fatos heroicos em tempos difíceis e a vida do próprio Cristo.  

O cinema como um veículo de evangelização

Já passeamos um pouco pela história do cinema brasileiro! Assim como ele cresceu no século XXI com temas variados, não com o mesmo grau de procura, mas o cinema cristão também tem conquistado seu lugar nas telas dos cinemas e nos lares.

Atualmente, com o avanço da tecnologia e o aprimoramento dos meios de comunicação com o fim de evangelizar, a Igreja, as Congregações, grupos de leigos comprometidos com o evangelho têm investido cada vez mais no cinema brasileiro para evangelizar. 

Por exemplo, o filme da Irmã Dulce está presente em muitos canais de streaming, porque é muito procurado; O Milagre de Aparecida é outro que chegou às telas do cinema brasileiro. De fato, a imagem captura a atenção e a mensagem evangeliza o coração.

Portanto, vale a pena incentivar e divulgar o cinema brasileiro com filmes que transmitem a mensagem do evangelho para todas as idades. 

Agora, comemore o dia do cinema brasileiro com filmes cristãos!

  1. O filme “O Milagre das Águas” dirigido por Pe. Ronoaldo Pelaquin, lançado em 1987, conta a história de Nossa Senhora Aparecida através de José, um senhor paraplégico e seu filho, João.
  2. “A travessia da serra que chora”, com direção de Zeca Portella e Vicente Abreu, lançado em 2008, conta a história de uma família quase destruída por consequências da vida. 
  3. “Maria – Mãe do filho de Deus” dirigido por Moacyr Góes, lançado em 2003. Conta a história da filha de uma jovem muito pobre que é confiada momentaneamente ao padre local, interpretado pelo Padre Marcelo Rossi, enquanto sua mãe vai buscar o resultado de alguns exames. 
  4. “Irmã Dulce” foi lançado em 2014, dirigido por Vicente Amorim, conta a história de Irmã Dulce, que em vida foi chamada de “Anjo Bom da Bahia”, indicada ao Nobel da Paz e beatificada pela Igreja.

Por fim, por que não investir em streaming católicos  para alegrar a vida de toda família? Afinal, falar de Deus dentro de casa é um grande desafio, então o cinema vem para ajudar a propagar a boa nova com beleza, arte, profissionalismo e testemunho de fé.

Últimos adicionados

Por que Maria é chamada Esposa do Espírito Santo?

Pentecostes e o Carisma Palotino