Nos Acompanhe !

O mês missionário é rico em reflexão sobre a importância do anúncio do Reino de Deus e também sobre a santidade, porque existem grandes testemunhos de amor a Deus que nos inspiram bastante.

Para citar alguns: São Benedito; São João XXIII; Santo Inácio de Antioquia; São Lucas; Santo Antônio de Santana Galvão – o primeiro santo brasileiro; sem falar em Nossa Senhora do Rosário e Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil.

Além de todos eles, selecionamos mais cinco santos populares no calendário litúrgico e muito comemorados no mundo inteiro por suas virtudes e ensinamentos.

 

Abrindo o mês missionário: Santa Teresinha do Menino Jesus (1º de outubro)

 

Nada como começar o mês missionário com a padroeira das missões. Santa Teresinha do Menino Jesus viveu nove anos no convento, dedicou-se inteiramente a rezar pelos sacerdotes e pela salvação das almas, morreu jovem, aos 24 anos.

Porém sua vida não foi um mar de rosas como ela derrama sobre seus devotos. A santa  experimentou a dor da perda da mãe aos quatro anos; sofreu de tristeza e desânimo aos 10 anos, devido a ausência da mãe e das irmãs que entraram no convento.

No entanto, “a graça do sorriso da Rainha do Céu” devolveu-lhe a saúde. E Teresinha teve um encontro pessoal com o Menino Jesus a quem se entregou totalmente aos 15 anos quando entrou no convento com a autorização do Papa Leão XIII.

A santa nos ensina a amar a Deus nas pequenas coisas. Além disso, seus escritos são um caminho de vida espiritual autêntico e válido para toda a Igreja. E, acima de tudo, seu testemunho nos ajuda a superar a tristeza e a dor através do amor a Deus e a Nossa Senhora.

 

São Francisco de Assis – o missionário apaixonado pelos pobres (4 de outubro)

 

São Francisco de Assis, também chamado de Pobre de Assis, foi um jovem nobre do século XII que sonhava em ser cavaleiro, alcançar fama e prestígio. Sua ambição o levou à guerra, mas esse acontecimento transformou a vida do guerreiro em servo de Deus.

Francisco teve um misterioso encontro com Deus no período da batalha, da prisão e da doença que o levou de volta para casa. Sua vida foi totalmente transformada e ele trocou o desejo da fama pelo desejo de Deus.

O missionário Francisco descobriu que o amor a Deus era sua maior riqueza e a forma de provar isso foi se despojando totalmente de qualquer bem, propriedade e dinheiro. Por isso, ele resolveu casar-se com a pobreza e fez dela sua esposa.

Assim, tornou-se irmão das criaturas e dos filhos de Deus. Sua pobreza era tão grande que ele venceu as três grandes tentações do homem: o poder, o prazer e o possuir. Nada o possuía. Seu exemplo de missionário nos ajuda a amar a Deus sobre todas as coisas.

 

Santa Faustina Kowalska – missionária da misericórdia (5 de outubro) 

 

Santa Faustina foi uma freira polonesa, nascida em 1905. De uma família numerosa, desde cedo manifestou seu desejo pelo caminho missionário, mas não foi apoiada pelos pais. Apesar disso, ainda contra a vontade deles, aos 18 anos decidiu que nada a impediria de  seguir a vida religiosa.

Ao chegar ao convento, em Varsóvia, foi acolhida pela superiora, fez seu caminho para a vida religiosa e adotou o nome de Maria Faustina do Santíssimo Sacramento. Mas Faustina enfrentou diversas provas pessoais, inclusive tentou deixar de lado as inspirações de Jesus.

No entanto, a santa recebeu a visita da Divina Misericórdia. Teve uma intensa vida de comunhão com Deus, com revelações e mensagens místicas que foram reveladas após a sua morte através do Diário espiritual que ela escrevia a pedido do seu confessor e do próprio Jesus. 

E o legado de Santa Faustina é exatamente a devoção à Divina Misericórdia reconhecida e celebrada por toda Igreja. E para o missionário, ela ensina que a mensagem principal do Evangelho é a confiança absoluta na misericórdia divina que salva a humanidade.

 

Santa Teresa de Jesus, doutora e mística! (15 de outubro) 

 

Teresa de Ávila foi a primeira mulher na Igreja a receber o título de doutora. Seus escritos revelam uma intensa vida de intimidade com Deus e traçam um caminho místico que aprofunda o conhecimento da vida interior na alma apaixonada por Deus.

Mas a história de Teresa é longa e intensa. Sempre foi uma jovem inquieta, de temperamento forte, religiosa, mas com problemas de saúde que a acompanharam por muitos anos. A decisão pela vida religiosa aconteceu no colégio onde estudava.

Após a profissão religiosa, adoeceu misteriosamente. Porém, a doença a levou a vários encontros pessoais com Deus, a um desejo de recolhimento e solidão. Foi quando, diante da imagem do crucificado, Teresa experimentou uma profunda conversão de vida.

Logo, esse profundo encontro converteu-se em uma fecunda atividade como fundadora e escritora, que se prolongou até à sua morte. 

A vida e o fervor missionário de Teresa provocaram a reforma dos mosteiros na sua época e seus escritos são verdadeiros tratados de crescimento espiritual, essenciais para todo missionário.

 

São João Paulo II, o papa missionário (22 de outubro)

 

Karol Józef Wojtyła nasceu na Polônia, em 1920. Enfrentou a segunda guerra mundial, lutou contra o nazismo, sofreu a perda de amigos e em meio a tantas dificuldades descobriu sua vocação ao sacerdócio. Tornou-se um missionário escondido, enquanto estudava.

Em 1946 tornou-se sacerdote; em 1964 foi nomeado Arcebispo de Cracóvia, pelo Papa Paulo VI, que também o criou Cardeal, três anos depois. Logo depois, participou do Concílio Vaticano II, contribuindo para na elaboração da Constituição Gaudium et spes

Foi eleito o primeiro Papa não italiano, em 1978, o primeiro polonês da história e também o primeiro Pontífice de um país de língua eslava. Seu pontificado foi missionário; ele fez 104 Viagens Apostólicas pelo mundo e guiou a Igreja através do diálogo com todos os povos.

O legado missionário que deixou é imenso e fecundo. Apesar do atentado que sofreu em 1981, que debilitou sua saúde até o fim da vida, ele não desistiu, mas permaneceu fiel ao propósito missionário como servo da Igreja e amante de Nossa Senhora.

Assim, a vida desses santos reúne superação dos problemas emocionais, desapego total de si, encontro pessoal com Deus, confiança na misericórdia e perseverança até o fim, virtudes que todo missionário precisa cultivar a fim de dar frutos onde estiver.

 

Que tal algumas dicas do Papa Francisco para evangelizar?

Últimos adicionados

Por que Maria é chamada Esposa do Espírito Santo?

Pentecostes e o Carisma Palotino