Nos Acompanhe !

O mês mariano é celebrado pelos católicos com muitos louvores e homenagens à Santa Mãe de Deus. Assim, a Virgem Maria tem um lugar especial no coração de seus filhos, lugar que o próprio Jesus lhe concedeu quando disse:

‘Mulher, eis aí o teu filho’. Depois disse ao discípulo: ‘Eis aí a tua Mãe’ (Jo 19,26-27).

Com essas palavras, Ele colocou sua mãe aos cuidados de João, o discípulo amado, que representa cada pessoa que também se torna discípulo, filho de Deus através do batismo. E Maria se torna a Mãe da nova humanidade, nascida do Coração de Cristo aos pés da Cruz.

Ela é a nova mulher – filha, esposa e mãe – escolhida por Deus e amada desde então por cada devoto, cada filho que se coloca sob sua proteção. Por isso, que o mês de maio é tão rico em espiritualidade, por causa do amor devotado a ela por tantos cristãos.

E quantos presentes temos neste mês! Você sabe das aparições de Nossa Senhora no mês de maio? Ou por que maio é o mês escolhido para essa devoção? Vamos às respostas, com sentimentos de gratidão e profunda alegria.

 

Por que maio é um mês mariano?

 

A tradição do mês mariano começou na antiga Grécia, porque o mês de maio era dedicado à deusa da fecundidade – Artemisa. Da mesma forma, na antiga Roma, em maio, se celebrava a deusa da vegetação chamada Flora e os jogos florais sob a intercessão dela.

Com a instituição do cristianismo como religião oficial, muitos costumes pagãos foram substituídos por celebrações cristãs. E como o mês de maio marca o início da primavera na Europa, berço do cristianismo, então passou a ser dedicado à Virgem Maria, a mais bela flor! 

Mas a ideia de um mês dedicado especificamente a Maria se oficializou no século XVI. As orações já existiam no meio do povo, com devoções e súplicas à Mãe de Deus, mas era preciso dedicar-lhe um mês especial e assim aconteceu!

E até hoje o mês mariano acontece em maio devido à primavera europeia, mês das flores, momento de renascimento, quando o frio dá lugar ao belo. E ninguém melhor que a mais bela das discípulas para receber as homenagens da natureza e do povo Deus.

 

Nossa Senhora escolheu o mês mariano para aparecer

 

O mês de maio nos presenteia com muita beleza, alegria e espiritualidade. Além de ser o Tempo Pascal, que dura cinquenta dias, temos celebrações fortes, como a Ascensão de Jesus e Pentecostes. 

E quem abre a porta para todas as celebrações é São José Operário – em 1º de maio. A Igreja soube organizar de tal forma as celebrações que maio se torna um mês de muitos milagres! E se encerra com a coroação da Rainha dos Céus, no dia 31 de maio.

No entanto, além de tantas celebrações litúrgicas, a Virgem Maria quis aparecer para seus filhos em momentos muito especiais no mês de maio. Algumas aparições são tão conhecidas que mobilizam católicos do mundo inteiro até hoje. Confira agora.

 

No mês mariano, Nossa Senhora de Fátima

 

Qual filho de Maria nunca cantou assim: ‘A treze de maio, na cova da Iria, no céu aparece a Virgem Maria…’. Por trás desse canto há uma história incrível que transformou Fátima, um pequeno vilarejo em Portugal, no Santuário das Conversões.

Tudo começou com um apelo: durante a Primeira Guerra Mundial (1917), o Papa Bento XV suplicou a Deus e pediu a intercessão de Nossa Senhora para que a humanidade alcançasse a paz e, em maio do mesmo ano, a Virgem Santíssima apareceu em Fátima.

Foi então que três criançasLúcia, Jacinto e Francisca – avistaram um clarão como um raio no céu azul e, segundo Lúcia, viram:

“Uma dama vestida de branco, mais brilhante que o sol, irradiando uma luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água com gás, iluminada pela luz do sol ardente”.

E a Dama dizia: “Não tenha medo, não vou machucá-los. Eu venho do céu. Vim pedir para você vir aqui por seis meses no 13º dia do mês, nesta mesma hora. Mais tarde, direi quem sou e o que desejo. E voltarei aqui pela sétima vez.”

As aparições de Nossa Senhora em Fátima marcaram a história da Igreja e do povo. Foram várias aparições, milagres, revelações e sobretudo conversões. Mas, não faltaram provações na vida das crianças. Porém,  Coração Imaculado de Maria triunfou, e hoje o mundo colhe os frutos desse acontecimento. E o mês mariano fica mais belo em Fátima com honras à Virgem Maria.

 

Maria, Rainha dos Apóstolos – 25 de maio

 

Não há dúvida da grandeza da Virgem Maria no Evangelho, no meio do povo e na história da Igreja. Além de tudo isso, os santos são grandes responsáveis por aumentar o amor à Virgem Maria e catequizar o povo sobre ela. Entre eles, está São Vicente Pallotti!

Pallotti foi um grande incentivador do apostolado leigo, ele praticamente iniciou os leigos na evangelização, em pleno século XVIII. Em sua beatificação, o Papa Pio XI o chamou de  “verdadeiro operário das missões”. Em 1963, no auge do Concílio Vaticano II, o Papa João XXIII o proclamou santo e reconheceu sua importância para o apostolado leigo na Igreja. 

Jesus, o apóstolo do Pai, era sua fonte de inspiração! Vicente investiu na evangelização de todos e para todos, sem excluir a ninguém. Mas é impossível amar o Filho sem honrar a Mãe. São Vicente então elegeu Maria como a Patrona de toda a Obra que fundou e deu a ela o título de Rainha dos Apóstolos. 

Ao falar, rezar e escrever sobre Maria, Pallotti a tratava como Mãe do Bom Conselho, Mãe do Divino Amor e Nossa Senhora das Dores. Seu amor por Maria era imenso e ele divulgou isso em todas as suas ações de evangelização.

Para São Vicente Pallotti, Maria é a apóstola fiel e intercessora para que todos os povos possam conhecer a salvação, tornando-se assim a Rainha dos Apóstolos. Por isso a Obra Palotina é profundamente mariana e celebra o mês mariano com muita alegria.

Nossa Senhora de Visitação – uma fonte de graças

 

O mês mariano é repleto de devoção à Virgem Maria e à Igreja, em sua identidade mariana, encerra o mês de maio – dia 31 – com duas memórias importantes: A visitação de Nossa Senhora e o título de Medianeira de todas as graças.  

A referência mais antiga da invocação de Nossa Senhora da Visitação pertence à Ordem Franciscana, que assim a festejava desde 1263, na Itália. Mas em 1441, o Papa Urbano IV instituiu esta festa porque a Igreja do Ocidente necessitava da intercessão de Maria para recuperar a paz e união do clero dividido pelo grande cisma.

Então, o culto à Nossa Senhora da Visitação cresceu e encontrou muitos devotos fortes e poderosos, como o rei D. Manuel I, de Portugal, que governou entre 1495 e 1521. Ele escolheu Nossa Senhora da Visitação como a Padroeira da Casa de Misericórdia de Lisboa.

Ora, de Portugal para o Brasil Colônia: primeiro na Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, depois por todo território brasileiro. Em 1978, a Madre Maria Vincenza Minet fundou uma congregação religiosa sob o carisma de Nossa Senhora da Visitação, na Itália, e esta fundação chegou ao Brasil como um socorro de Nossa Senhora para os pobres.

 

Medianeira de todas as graças

 

O título de “Medianeira de todas as graças”, dirigido à Nossa Senhora, se deve à sua participação no mistério da Encarnação do Verbo e no Mistério Pascal de Cristo. Em todo o caminho de Cristo, Maria esteve presente e assim permanece no caminho da Igreja e dos filhos de Deus.

E a Igreja, através do Magistério e da Tradição, reconhece a importância da Mãe de Deus como essa intercessora e medianeira entre seu Filho e a humanidade. Há uma oração mariana antiga, do século III, que diz: “À vossa proteção recorremos, santa Mãe de Deus.”

Dessa forma, a Virgem Maria é medianeira de todas as graças, pois ela nos deu Jesus Cristo e nos dá todas as graças necessárias para a nossa salvação, que nos foi alcançada pelo sacrifício único e definitivo de seu Filho no alto da cruz. 

Assim, a Igreja, em 1921, através do Papa Bento XV, concedeu o Ofício e a Santa Missa da Bem-Aventurada Virgem Maria “Medianeira de todas as graças”, acrescentado na liturgia essa celebração no dia 31 de maio.

 

Somos um povo mariano!

 

O Brasil é o país mais cristão do mundo! Com certeza, há nesta porção muitos católicos que festejam o mês mariano com muito zelo, como deve ser e como a Igreja tem ensinado desde sua fundação.

Por isso, encerrar o mês de maio com dois grandes títulos de Nossa Senhora é mais um motivo para agradecer e festejar: Nossa Senhora da Visitação é a Medianeira de todas as Graças.

Façamos, então, do nosso coração o primeiro altar preparado para ela e que saiam dos nossos lábios inúmeras rosas através das orações, ladainhas e ofícios oferecidos à nossa Rainha.

Mais que suplicantes, sejamos gratos por uma Mãe tão boa, tão zelosa e sempre disposta a nos mostrar o Evangelho como proposta de uma vida feliz já aqui nesta terra.

Então, façamos tudo como ela nos disser! 

 

Leia também: O que Montfort ensina sobre a verdadeira devoção à Virgem Maria 

 

Últimos adicionados

Por que Maria é chamada Esposa do Espírito Santo?

Pentecostes e o Carisma Palotino