Nos Acompanhe !

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados” (Mt 5, 6).

Esse versículo bíblico é bastante admirado e um refúgio de muitos injustiçados que temem a Deus e esperam em Sua misericórdia.

Mas a Justiça sobre a qual Cristo fala não é um conjunto de teorias, ideologias, ciência ou regras de comportamentos a serem praticadas, porém um modo de vida em que prevalece o direito do próximo como prevalecem os meus direitos.

Já o Catecismo da Igreja Católica define a justiça como a virtude que consiste na vontade constante e firme de dar a Deus e ao próximo o que lhe é devido. Assim, são duas referências: ser justo para com Deus e para com o próximo.

Agora, na série Virtudes, entenda mais sobre esse tema e renove as práticas justas em sua caminhada.

 

O que é justiça

 

O Papa Francisco, em um discurso aos magistrados da Itália, disse:

“A justiça é uma virtude, ou seja, uma veste interior do sujeito: não um traje ocasional ou que se usa para as festas, mas um hábito que se deve vestir sempre, porque reveste e envolve, influenciando não só as opções concretas, mas também as intenções e os propósitos.

E afirmou ainda que é “uma virtude cardeal, porque indica a justa direção e, como um eixo, é ponto de apoio e de junção. Sem justiça toda a vida social permanece travada, como uma porta que já não se abre, ou acaba por chiar e ranger, num movimento lento.

É verdade que todos temos uma noção de justiça, seja no campo jurídico, das relações ou da organização da sociedade, já que ela ordena muitas coisas; dela depende a coexistência dos povos e sua ausência causa graves consequências entre as pessoas.

No entanto, independente das questões teóricas sobre a justiça, ela é como um traje, conforme disse o Papa, que reveste o coração. Quem não tem essa veste, não dá a Deus, a si, nem ao outro o que lhes pertencem. A justiça rege as decisões do coração humano.

 

A virtude da Justiça nas Sagrada Escritura 

 

A justiça como a veste interior citada pelo Papa precisa encontrar sua fonte e não há melhor lugar que a Palavra de Deus. São muitos homens que foram elogiados com essa qualidade e alguns deles conhecemos bem:

  • Glorioso São José, patrono da Sagrada Família: “Por ser José, seu marido, um homem justo, e não querendo expô-la à desonra pública, pretendia anular o casamento secretamente” (Mt. 1,19).
  • João Batista: “Porque Herodes temia João e o protegia, sabendo que ele era um homem justo e santo; e quando o ouvia, ficava perplexo.”(Mc. 6,20).
  • Simeão: “Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão, que era justo e piedoso, e que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele” (Lc. 2,25).
  • José de Arimatéia: “Havia um homem chamado José, membro do Conselho, homem bom e justo” (Jo. 23,50)

Nas Sagradas Escrituras, o homem justo era aquele que respeitava a Deus, vivia sob sua Palavra e esperava a justiça plena, o Messias. No entanto, essa vivência não era abstrata, mas a prática do que é certo, principalmente o auxílio ao pobre, a viúva e ao órfão.

 

A prática do que é justo hoje

 

Atualmente, a prática da justiça é um grande desafio. Mas para o cristão ela está associada à vivência do amor, logo é uma obrigação que se nos impõe. Amor porque a justiça é prática do bem, do certo, é amar a Deus e ao outro.

Dessa forma, a justiça regula nossa convivência, possibilita o bem comum, defende a dignidade humana e respeita os direitos humanos; ela produz a paz e diminui a guerra; dela brota a verdade, a gratidão e nela a religião encontra força para testemunhar o amor.

Segundo Dom Orlando Brandes, Arcebispo de Aparecida – SP:

“Não se pode construir o castelo da caridade sobre as ruínas da justiça. Pelo contrário, o primeiro passo do amor é a justiça, porque amar é querer o bem do outro.” 

Se é assim, combatemos a mentira, a calúnia, a humilhação e tudo que tira o direito do outro; não aceitamos a violência, nem a exploração do homem pelo homem e principalmente deixamos a pessoa livre para fazer as próprias escolhas. Isso é justiça.

Por fim, a virtude da justiça nos lembra quem somos e como devemos agir no dia a dia ao mesmo tempo em que nos faz promotores de um mundo melhor conforme a vontade de Deus.

Últimos adicionados

Pentecostes e o Carisma Palotino

Como a maternidade de Maria a tornou Rainha dos Apóstolos