fbpx

7 coisas que você talvez não saiba sobre a Vocação Palotina

A vocação palotina é uma bênção para a Igreja e para o mundo. Há mais de cem anos, a Congregação evangeliza a partir do carisma deixado por São Vicente Pallotti, e é uma referência no incentivo do serviço dos leigos na Igreja.

Com certeza, existe um legado para a humanidade e muitas contribuições principalmente para os jovens sedentos de testemunhos de amor a Jesus Cristo e à humanidade.

Por isso, preparamos este post com 7 coisas que você talvez não saiba, mas precisa conhecer da vocação palotina.

 

Origem da vocação Palotina

 

A vida consagrada é uma primavera constante na Igreja. O Espírito Santo não para de inspirar homens e mulheres com propósitos e projetos que imitam Jesus e o evangelho a fim de que o amor de Deus se atualize no coração de cada filho (a) seu.

Dessa forma, com o mesmo propósito de santidade, nasceu no coração de Vicente Pallotti a fundação de uma congregação feminina.

Em 1837 diante da pobreza e das doenças que haviam na época, muitas crianças perderam seus pais, ficaram órfãs e abandonadas nas ruas.

Logo, São Vicente Pallotti, como grande apóstolo da misericórdia, não se conteve e colocou em prática a experiência de amor que ele mesmo recebeu do próprio Deus através dos cuidados com os mais necessitados.

Portanto, a vocação  palotina nasceu do apelo de Deus em favor dos menos favorecidos, dos abandonados e famintos na Itália do século XIX e até hoje mantém firme os ensinamentos do fundador através da vida religiosa e das missões espalhadas em vários países.

Mas há muito o que dizer sobre a história da vocação palotina, que não é possível esgotar agora, uma vez que ela existe a mais de cem anos e seu fundador é canonizado pela Igreja.

No entanto, por hora, escolhemos 7 fatos que edificarão sua vida e despertarão o desejo de conhecer mais de perto essa vocação.

 

#1  Vocação Palotina e o Protagonismo do leigo antes do Concílio Vaticano II

 

Imaginemos a Igreja Católica antes do Concílio Vaticano II, que foi um grande acontecimento inspirado por Deus no coração do Papa São João XXIII! Só se identificava a Igreja pelos Presbíteros e a vida consagrada, de modo que os leigos não tinham representatividade, apenas ocupavam espaço na assembleia.

Porém, para Vicente Pallotti não era assim, porque ele dizia que todo cristão era um apóstolo; todos são chamados e enviados, não como uma obrigação, mas por direito de filhos de Deus, logo o santo já defendia e incentivava a importância do leigo na Igreja.

Assim ele dizia: “Portanto, todos: grandes e pequenos, nobres e plebeus, soberanos, sacerdotes e leigos  podem em sua posição exercer o apostolado de Jesus Cristo”.

Há profetismo em suas atitudes, porque, anos depois, o Concílio abriu as portas da Igreja para os leigos atuarem com mais visibilidade. E, hoje, temos uma Igreja marcada pela participação dos leigos.

 

#2 Corpo incorruptível de São Vicente Pallotti

 

São Vicente Pallotti desde criança viveu o sofrimento e o amor ao mesmo tempo, porque perdeu cinco irmãos ainda crianças, mas foi consolado pela educação religiosa de seus pais, por quem sempre rezou e agradeceu a Deus.

Também decidiu sua vocação cedo; tornou-se sacerdote aos 23 anos e dedicou-se ao ensino por dez anos até se entregar à vida apostólica no tempo certo. Ora, seu zelo pelo povo de Deus era grande, preocupava-se tanto com a catequese quanto com a sobrevivência deles.

Dessa forma, cultivou uma vida santa, de amor e serviço pela causa do evangelho. Quando chegou sua hora de partir para Deus, ele já sabia e morreu em santidade. Em vista disso, seu velório durou três dias pelo volume de pessoas que o visitaram.

Ora, após dois anos (1906), deu-se início ao processo de canonização, quando, então, abre-se o caixão para exumação do corpo. Para a surpresa de todos, o corpo do santo homem estava intacto, embora um pouco seco. E assim permanece até hoje exposto na Igreja de São Salvador em Onda – Itália. 

 

#3 A primeira casa da vocação palotina permanece até hoje 

 

Já citamos, no início, que a congregação feminina nasceu de um apelo de Deus em favor das crianças órfãs da época. Dessa forma e para esta missão, ingressaram algumas jovens que Vicente Pallotti preparou para esta missão.

Assim, nasceu a primeira casa feminina chamada “Pia Casa de Caridade” com o fim de assistir as crianças necessitadas. A casa permanece até hoje como berço da Congregação e localiza-se em Roma, na Via Santa Ágata.

Portanto, o sonho de São Vicente Pallotti possui um registro histórico importante. Esse lugar fundante traz à memória a beleza e a grandeza do chamado de Deus para a Congregação até hoje.

 

#4 Nossa Senhora é tratada como a Rainha dos Apóstolos

 

Quem mais se aproxima de Deus que sua Mãe? Assim como Pallotti nutria amor pelo Filho de Deus, nutria por sua Mãe. Se Jesus é o Apóstolo do Pai, Nossa Senhora é a Rainha dos Apóstolos, portanto esse é o grande elogio atribuído a ela por toda vocação palotina.

Desde cedo, a congregação foi colocada aos cuidados de Nossa Senhora e esse título, carinhosamente concedido a ela, deve-se ao fato da Santíssima Virgem ser modelo de vida cristã e consequentemente do apostolado cristão.

Portanto, para a vocação palotina, Nossa Senhora é a Rainha dos Apóstolos e seu dia é comemorado no sábado antes da solenidade de Pentecostes.

 

#5 Qualquer pessoa pode pertencer à Fundação

 

O desejo de Pallotti, e hoje da vocação palotina, é que todos os homens conheçam a Deus e se tornem suas testemunhas. Logo, desde o início da congregação que ele acreditava que qualquer pessoa podia pertencer à Fundação, viver sua espiritualidade, sem precisar ser Palotino.

Dessa forma, é claro o pensamento amplo que ele tinha, e o apostolado das irmãs, hoje, transparece isso. Elas estão onde os leigos estão; promovem as pastorais e incentivam cada um a encontrar seu lugar na Congregação e na Igreja.

 

#6 Conservatório Villa Lobos

 

“Deus nos criou e nos deu os diversos sons e cânticos para que aprendamos a gostar dos cantos eternos da glória no resplendor dos santos”, assim dizia São Vicente Pallotti.

Porém, ele não sabia que mais um sonho seria realizado.

Então, em 1965 nasceu o Conservatório Musical Villa Lobos em Arapongas, Paraná. E hoje é considerada mãe de todas as escolas de música da região. Sob a direção da vocação palotina, o Conservatório oferece os cursos de Piano, Violino, Violoncelo, Teclado, Flauta Doce, Violão Popular, Guitarra, Musicalização Infantil e Disciplinas Complementares. 

Por consequência, é referência em ensino e capacitação na área de música, com profissionais habilitados e atualizados, proporcionando saúde para o corpo e a mente através da música, como também um meio de aproximar-se mais de Deus.

 

#7 Duas casas em Moçambique

 

No século XX, a vocação palotina atravessa o oceano até o continente africano. Para vida religiosa, não existem fronteiras, nem muros, mas pontes por onde se chega ao coração dos homens e mulheres do nosso tempo para anunciar Jesus Cristo.

Por isso, a congregação aceitou o convite para se instalar em Moçambique em 1998. E agora estão em duas missões: Comunidade “Betânia” – Inharrime e Comunidade “Jesus Bom Mestre” – Marracuene.

Além dos trabalhos pastorais, do serviço na educação e nas missões junto às famílias, a vocação palotina tem seus primeiros frutos em vidas doadas com a consagração religiosa da primeira irmã moçambicana. Logo, a missão é motivo de gratidão a Deus.

Agora, estamos mais enriquecidos com a história da vocação palotina.

No entanto, há novos relatos que serão escritos com a experiência de quem chega hoje para continuar esse belo trabalho, que começou no coração de um jovem de 15 anos e se estende em muitos outros corações de acordo com o chamado de Deus.

 

Aprofunde esse assunto: Qual o serviço das Irmãs Palotinas na Igreja?

Comentar

Compartilhar

EnglishPortugueseSpanish